tozzi

Especialistas defendem descentralização de recursos da Lei Rouanet

Compartilhe!

Conteúdo

Tema foi discutido em seminário realizado na Comissão de Cultura

Os mecanismos de incentivo às artes foram debatidos em seminário promovido pela Comissão de Cultura. O foco principal foi a Lei Federal de Incentivo à Cultura, conhecida como Lei Rouanet, que conta com três pilares: o Fundo Nacional de Cultura (FNC), o Incentivo Fiscal, ou Mecenato, e o Fundo de Investimento Cultural e Artístico, o Ficart.

Gestor cultural com experiência em governos e na iniciativa privada, Carlos Paiva defendeu a descentralização dos recursos disponíveis e destacou a necessidade de aprender com iniciativas bem-sucedidas, como o Fundo Setorial do Audiovisual e o ICMS Cultural em Minas Gerais, entre outros exemplos.

“A gente tem que aproveitar as políticas existentes, não dá pra começar do zero, tem muita coisa colocada, o Vale-Cultura tá andando pra trás e era uma política super importante (…). O Fundo Setorial do Audiovisual é um exemplo incrível de política pública setorial e poderia inspirar várias políticas setoriais no campo das artes e isso é pouco discutido. Estados e municípios são quem, na prática, têm realizado algum tipo de experiência na política pras artes, mas a gente não traz o que tem de melhor nessas experiências pra visibilidade e pra um debate nacional que pudesse orientar a política, a gestão e a classe artística”.

Representante da Associação de Produtores de Teatro do Rio de Janeiro, Bianca de Felippes criticou a instrução normativa publicada em abril, com novas regras para a Lei Rouanet, como a fixação do teto de 1 milhão de reais para o financiamento de projetos culturais. Bianca considera que o limite restringe, por exemplo, a circulação de grandes espetáculos pelo país. A produtora destacou que cada real investido no setor gera 1 real e 59 centavos em uma extensa cadeia produtiva.

O secretário de Fomento e Incentivo à Cultura do Ministério da Cidadania, José Paulo Martins, defendeu as mudanças recentes, mas se comprometeu a reavaliar as alterações junto ao setor.

“A cidade de SP concentra 40% do recurso, a cidade do RJ concentra 25% do recurso. Do ponto de vista de sociedade a gente tem quem tentar alguma alternativa para permitir a desconcentração. (…) A grande massa dos nossos proponentes e projetos culturais. Temos mais de 98% dos proponentes com seus projetos não atingidos por essa medida. Outro ponto importante da instrução é a necessidade de aumentar o acesso da população, em especial da população de baixa renda, por isso que foi feito esse acréscimo na questão da gratuidade.”

Ex-ministro da Cultura, o deputado Marcelo Calero, do Cidadania fluminense, avalia que o perfil dos patrocinadores precisa mudar para reduzir a concentração de recursos na região Sudeste. Para ele, empresas de lucro presumido e pessoas físicas deveriam ser incluídas na Lei Rouanet. O parlamentar apresentou outras ideias para a injeção de recursos nas artes e defendeu um trabalho pluripartidário em defesa da cultura no País. cursos especiais+

“A gente tem uma grande missão de que a gente possa dar visibilidade a tudo que se relaciona ao ecossistema da cultura, da economia criativa, nós possamos trazer discussões que signifiquem rumos pro futuro desse setor que tem sido tão criminalizado, demonizado e o despropósito, o desserviço que é feito ao país quando essas forças acabam prevalecendo.”

Além dos mecanismos de fomento, a Comissão de Cultura também debateu a Política Nacional das Artes, com a participação da articuladora de artes visuais Jaqueline Medeiros, o ex-secretário de Cultura da cidade do Rio de Janeiro, Júnior Perim, o ex-diretor da Funarte, Humberto Braga e a diretora de Equipamentos Culturais da Secretaria de Cultura da Bahia, Maria Marighela.

Fonte: Grupo Orzil

https://www.orzil.org/noticias/especialistas-defendem-descentralizacao-de-recursos-da-lei-rouanet/

Rate this post

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

WeCreativez WhatsApp Support
Vários serviços da Alto Nível para o desenvolvimento da sua Instituição. Gestão com Resultado!
👋 Olá, como posso ajudar?