Em entrevista para a Agência EY para a série sobre as perspectivas socioeconômicas nos mais diversos setores, Alexandre Rangel afirma que o Brasil precisa melhorar a sua comunicação no setor

Atualizada em 12/01/2022 | 16h55

Considerado um dos grandes destaques da economia brasileira, o agronegócio deve continuar colhendo bons resultados este ano. Um câmbio vantajoso para a exportação, entre outros fatores, deve render bons resultados aos produtores. A análise é de Alexandre Rangel, líder do Centro de Excelência do Agronegócio da EY.

Em entrevista para a Agência EY para a série sobre as perspectivas socioeconômicas nos mais diversos setores, Rangel afirma que o Brasil precisa melhorar a sua comunicação no setor agro para mostrar ao mundo ações positivas em relação à sustentabilidade ambiental. “Temos uma postura de nos desculpar muito por aquilo de ruim que não fazemos, em vez de falar aquilo de bom que nós efetivamente fazemos”, afirma Rangel.

A pressão por produtos agropecuários que não prejudiquem o meio ambiente é cada vez maior no Brasil e no exterior. O Brasil corre o risco de perder mercados, e por consequência Valor Bruto de Produção (VBP), caso não se atente a essas questões de maneira efetiva?

Há um consenso de que o Brasil precisa se comunicar melhor. Há um trabalho grande sendo feito pelos produtores em relação à sustentabilidade, certificações, proteção dos biomas e redução das emissões de carbono, entre outras ações muito positivas. Mas ainda temos uma grande dificuldade em comunicar isso para fora. É óbvio que, em um país continental como o Brasil, há produtores muito sérios e uma minoria com práticas não adequadas. O problema é que, muitas vezes, esses poucos acabam contaminando a visão do país como um todo. Há também muita agenda protecionista de alguns países disfarçada em uma agenda de sustentabilidade. Mas acreditamos que o remédio para isso é continuar investindo em certificação da produção, rastreabilidade, na qualidade dos produtos e, principalmente, em desenvolver uma comunicação efetiva daquilo que é feito de bom. No Brasil, temos uma postura de nos desculpar muito por aquilo de ruim que não fazemos, em vez de falar aquilo de bom que nós efetivamente fazemos.

O Ministério da Agricultura prevê um aumento de 4% no VBP para 2022. Diante disso, quais as perspectivas para o próximo ano em relação ao agronegócio?

Há uma combinação de fatores interessantes: em primeiro lugar, um câmbio do real desvalorizado em relação ao dólar, para o agronegócio, é algo que pode ser encarado como positivo, já que a monetização das commodities e a venda dos produtos para o exterior é em dólar. Isso acarreta uma rentabilidade bastante interessante para o setor. Se somarmos isso a alguns investimentos em logística realizados nos últimos anos, que têm reduzido o custo de produção e até o desperdício, há uma perspectiva otimista para 2022.

Quais são setores do agronegócio que mais devem crescer em 2022?

Há um crescimento sustentável na maioria dos setores. Ainda existe uma certa dúvida em relação à demanda interna, que deve ser aquecida caso o próximo ano seja de recuperação econômica e encaminhamento para a finalização da pandemia. Com uma possível melhoria no consumo de combustíveis, deve haver recuperação do setor sucroalcooleiro.

 

Fonte: EY

Rate this post
Terceiro Setor

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here