A interminável série de tarefas exigidas no trabalho pode nos deixar sem forças – prazos, reuniões, projetos, e módulos de treinamento em andamento – tudo demandando esforço e limitando o tempo para recarregarmos as energias. Como medida para economizar energia, podemos pular etapas

Uma tarefa que normalmente é rebaixada na lista de prioridades é a mentoria. Da mesma forma que a mentoria traz um propósito e satisfação, ela pode ser exaustiva. Todavia, enquanto vários livros se concentram em estratégias gerais de mentoria (o porquê, o que, quem, onde e quando), aquelas que poupam tempo e energia são normalmente negligenciadas.

Diante de uma pandemia sem sinais de término à vista, precisamos preservar nosso estoque de energia ao prestar mentoria às pessoas. É possível ser um mentor de uma forma eficaz que traga benefícios aos mentorados, aumentando sua autoconfiança e a rede de relacionamentos e, ao mesmo tempo, poupar sua energia. Chamamos essa abordagem de mentoria instigante.

O objetivo da mentoria instigante é claro: tornar-se um mentor mais experiente com um grupo ainda maior de mentorados enquanto dispende-se menos energia e tempo. Isso não se resume a encontrar maneiras de obter mais dos seus esforços. Ao estabelecer limites e expectativas claras, é possível cultivar habilidades importantes e oferecer redes de relacionamento mais robustas que possam ser mais úteis aos mentorados em longo prazo.

Um bom ponto de partida é elucidar as expectativas da linha de base. Para começar, os mentores devem conhecer suas próprias preferências.  Pense na sua expectativa com relação às responsabilidades dos mentorados para, então, esboçar um documento que contenha padrões e guarde-o para um uso futuro. Por exemplo: os mentorados devem ser ágeis, elaborar a agenda, organizar os convites no calendário (inclusive com link para reuniões virtuais), e completar itens para ação. Ao iniciar um relacionamento, um modelo de listagem pode proporcionar diretrizes amistosas, embora diretas, à cada mentorado. Durante o relacionamento, reveja o documento em conjunto e aprimore-o ainda mais. Prepare um contexto, informando aos mentorados que tais padrões propiciarão habilidades organizacionais em liderança, além de manter você – o mentor – concentrado nas necessidades principais deles.

Um fator importante ao estabelecer as expectativas como mentor é calcular quanto tempo você espera dispender por ano – com um mentorado, você pode dedicar de duas a seis horas, a depender da necessidade dele. Compartilhe sua programação com o mentorado. Isso faz com que eles estejam cientes de que o tempo do mentor é similar a uma moeda corrente, cria independência e confiança, e os faz desenvolver ideias e dúvidas antes das reuniões, além de forçá-los a solucionar problemas por conta própria antes de agendar as reuniões. Não se trata de os mentores não estarem abertos a perguntas, mas eles se posicionam melhor para orientar os mentorados depois de avaliar as opções de antemão. Para melhorar a eficiência energética, analise se o problema pode ser resolvido de forma eficaz por e-mail e pense em encurtar as reuniões com os mentorados, de 60 para 40 minutos. Reduza as reuniões de 30-40 minutos a blocos de 10-20 minutos.

Em seguida, reavalie como você organiza as reuniões com os mentorados. Tradicionalmente, o relacionamento mentor-mentorado é uma díade: duas pessoas se encontram e abordam assuntos – em geral, classificados por categorias em temas como, por exemplo, crescimento profissional, conflito interpessoal, ou equilíbrio entre vida pessoal e profissional. Muitas vezes, os mentores conversam individualmente com cada mentorado e as respostas dadas a um também podem ser relevantes para os outros. Com base nisso, em vez de passar cinco horas fazendo reuniões individuais com cinco mentorados, pense na possibilidade de agrupar as cinco reuniões em uma única hora (É sensato deduzir essa hora da programação de cada mentorado.). Sim, essa medida economiza tempo, mas há, também, outras vantagens: no contexto de um grupo, os mentorados podem compartilhar a perspectiva com os demais e oferecer uma orientação por pares, o que gera apoio e validação quando os mentorados reconhecem lutas parecidas e aspirações não atingidas. Os mentorados também podem construir seu espaço e redes pessoais em grupo ao discutir o que consideram ser assuntos particulares numa reunião one-on-one. Ao agrupar os mentorados, você os influencia mais e não sobrecarrega tanto a sua agenda.

As sessões de mentoria em grupo não precisam ser presenciais – em tempos de Covid-19, vimos que elas funcionam bem no formato virtual, com as câmeras e o áudio ativados. Sob a orientação do mentor, mentorados de diferentes instituições e localidades geográficas podem contribuir confortavelmente. Outra avenida para agrupar mentorados é por meio de listas de e-mails. Combine os mentorados de diversos grupos que têm formas de pensamentos similares em um só grupo de e-mails – ou uma lista – e facilmente encaminhe e-mails frutíferos e relevantes para o maior grupo. Além disso, pense na utilização de apps de mensagens em grupo, que permitem conversas contínuas entre os mentorados, sob a supervisão e economia de energia do mentor, à distância. Isso o mantém presente e engajado e ele tem flexibilidade para se desconectar e guardar as observações para mais tarde.

Por fim, agora que você percebeu e criou expectativas, bem como mudou a base de suas reuniões, observe como as outras obrigações podem dobrar em quantidade de oportunidades. Pense na possibilidade de um evento relacionado ao trabalho ou ao desenvolvimento profissional, como um webinário ou um combo, ou até uma reunião de Conselho como uma oportunidade para convidar seu mentorado. Durante a pandemia, as oportunidades virtuais são eficazes e estão em alta. Combinar as reuniões é uma abordagem cativante por algumas razões. Essa estratégia agrupa o tempo que nós, mentores, havíamos planejado passar somente com o mentorado, e também faz com que ele veja nossos interesses, nossas habilidades para networking e nossa influência. Por último, temos a oportunidade de apresentar o mentorado a outros mentores potenciais. Montar uma equipe curadora de mentores para um mentorado é uma dádiva e uma abordagem revigorante para oferecer mais apoio a ele.

A mentoria não precisa queimar ou drenar energia. Ela pode ser eficiente e fácil. Procure maneiras de comunicar expectativas, marque sessões de forma eficiente e fortaleça os mentorados. Essas estratégias propiciam espaço para avançar na jornada de mentor.


Adaira Landry, MD Med é médica socorrista no Brigham and Women’s hospital. Landry atua como consultora na Cannon Society para a Harvard Medical School e como diretora assistente de residência do programa de residência em Medicina de Emergência da Harvard.


Resa E. Lewiss, médica é professora de medicina de emergência e de radiologia no Thomas Jefferson University Hospital. Lewiss atua no Comitê Executivo do Women’s Leadership Council da Brown University. É também criadora e anfitriã do podcast Visible Voices, que amplia as vozes e perspectivas das tendências atuais em cuidados com a saúde, com equidade e tendências atuais.

 

Fonte: Harvard Business Review

Terceiro Setor

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here