Para se adotar as melhores práticas de governança corporativa é preciso a manutenção de um sistema de conformidade

A existência e a manutenção de um sistema de compliance é de extrema relevância para se adotar as melhores práticas de governança corporativa. Sendo assim, um programa de compliance bem estruturado torna-se uma prerrogativa às organizações que visam a sustentabilidade de suas estratégias de negócios.
Mas, afinal, o que é compliance? A palavra em inglês significa conformidade. Nas empresas, nada mais é do que a adoção de condutas alinhadas com as leis vigentes e os imperativos éticos. “O compliance é antes de tudo um trabalho de educação dos colaboradores de uma empresa, para garantir sua integridade”, explica Camila Silva, coordenadora de pesquisa e conteúdo do IBGC.
Boas práticas e compliance
Para Camila, a gestão de compliance é feita no dia a dia. Quando todos os envolvidos de uma empresa entendem o que é estar em conformidade, os próprios funcionários e o copo executivo – e, claro, os conselheiros – engajam-se na condução do programa. Esta é a premissa que tem sido aplicada – e que tem dado certo – em grande parte das empresas.
Apesar do assunto ser cada vez mais discutido, especialmente após inúmeros casos de suspeita de corrupção envolvendo nomes de grandes empresas brasileiras, algumas organizações ainda têm dúvidas em como aplicar as regras de conformidade.
Para facilitar e dar uma visão mais sistemática, listamos a seguir algumas dicas práticas e simples, a serem adotadas pelas empresas e que podem ser adequados à todas as realidades.
Veja as sugestões:
1) demonstrar o apoio da alta administração para com o programa de compliance, lembrando da expressão tone from the top, que numa tradução direta ao português quer dizer que o ‘tom vem do topo”;
2) trabalhar o fortalecimento da cultura de compliance, engajando os colaboradores;
3) disseminar a cultura de compliance;
4) investir em treinamento dos colaboradores;
5) manter o código de conduta atualizado e com o claro direcionamento do comportamento esperado dos stakeholders envolvidos;
6) manter atualizado, disponível e acessível a todos os colaboradores as políticas e normas de compliance;
7) envolver as áreas da organização nos processos de compliance, demonstrando sua importância e papel.
Para ampliar os conhecimentos sobre compliance, acesse também as seguintes publicações IBGC, disponíveis em nosso Portal do Conhecimento:
Pesquisa Panorama dos Programas de Compliance em Empresas de Capital Fechado. Click no link para acessá-la.
Publicação Compliance à Luz da Governança Corporativa. Click no link  para acessá-la.
Fonte: ibgc
Terceiro Setor

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here